O Tarot que você faz na internet, assim como as cartas que você joga pessoalmente, possuem o mesmo princípio de aleatoriedade. Esse princípio determina que a escolha da carta é aleatória, não podendo seguir uma ordem determinada. Em ambos os jogos, você precisa mentalizar profundamente o seu momento para que o Tarot possa captar as vibrações mais amplas e revelar os seus pensamentos subconscientes na análise. Não é só um programa que embaralha as cartas e mostra o significado de cada uma. É uma forma de fazer as pessoas enxergarem o que precisam corrigir ou o caminho mais oportuno a se seguir. Tarot não resolve, por si só, a vida de ninguém. Ele dá diretrizes, e as diretrizes serão semelhantes embora as cartas sejam diferentes, até mesmo opostas, dependendo do contexto.


Assim como outros oráculos conhecidos, o Tarot funciona com base no princípio da aleatoriedade. Isto significa que as respostas são reveladas pela escolha de cartas aleatórias em um baralho. Não importando se são cartas de papel ou virtuais, o sorteio funciona igualmente, servindo para acessar os significados do inconsciente.


Quando a análise destoa absolutamente da pergunta ou mesmo da natureza/realidade de quem sorteou o jogo, o tarólogo Leo Chioda, especialista do Personare no tema, sugere os seguintes questionamentos:


  1. Você foi clara naquilo que perguntou ou desejou saber?

  2. Você se concentrou adequadamente conforme a análise propõe antes do sorteio das cartas?

  3. Você reconhece que nem sempre as respostas são o que você desejaria que fossem?


Nem sempre a interpretação terá sentido numa primeira leitura, até porque o Tarot estipula um tempo de atuação. Não significa que assim que as cartas forem sorteadas haverão mudanças repentinas. Uma das lições do Tarot é respeitar o tempo.


Você pode conferir algumas sugestões de orientações para fazer um bom jogo de Tarot aqui: http://www.personare.com.br/como-fazer-um-bom-jogo-de-tarot-m5007